Sucesso político na internet

A Internet talvez seja a mídia mais incompreendida por parte dos políticos. Em parte por ser nova, em parte por ser “técnica”, seu poder é constantemente subestimado, assim como são ignorados os modos em que a Internet realmente pode ajudar uma campanha.

O TSE permite, desde as eleições de 2010, a propaganda eleitoral na internet, que poderá ser realizada nas seguintes formas:

I. em sítio do candidato, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País;
II. em sítio do partido ou da coligação, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet estabelecido no País;
III. por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou coligação;
IV. por meio de blogs, redes sociais, sítios de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja gerado ou editado por candidatos, partidos ou coligações ou de iniciativa de qualquer pessoa natural.

A reforma eleitoral de 2017 incluiu o financiamento coletivo como uma nova modalidade de arrecadação de recursos para campanhas eleitorais. De acordo com a Lei nº 9.504/1997, art. 23, § 4º, inciso IV, entidades que promovam técnicas e serviços de financiamento coletivo por meio de sítios na internet, aplicativos eletrônicos e outros recursos similares, podem oferecer este serviço, desde que observadas as instruções da Justiça Eleitoral.

Entidades que promovam essa técnica de arrecadação devem observar os seguintes requisitos:

a) cadastro prévio na Justiça Eleitoral pela instituição arrecadadora, observado o atendimento, nos termos da lei e da regulamentação expedida pelo Banco Central do Brasil, dos critérios para OPERAR ARRANJO DE PAGAMENTO;

b) identificação obrigatória, com o nome completo e o número de inscrição no cadastro de pessoas físicas (CPF) de cada um dos doadores, o valor das quantias doadas individualmente, forma de pagamento e as datas das respectivas doações;

c) disponibilização em sítio eletrônico de lista com identificação dos doadores e das respectivas quantias doadas, a ser atualizada instantaneamente a cada nova doação, cujo endereço eletrônico, bem como a identificação da instituição arrecadadora, devem ser informados à Justiça Eleitoral, na forma por ela fixada;

d) emissão obrigatória de recibo para o doador, relativo a cada doação realizada, sob a responsabilidade da entidade arrecadadora;

e) envio imediato para a Justiça Eleitoral, na forma por ela estabelecida, e para o candidato de todas as informações relativas à doação;

f) ampla ciência a candidatos e eleitores acerca das taxas administrativas a serem cobradas pela realização do serviço;

g) não incidência em quaisquer das hipóteses de vedação listadas no art. 33 da Resolução TSE nº 23.553;

h) observância do Calendário Eleitoral para arrecadação de recursos, especialmente quanto aos requisitos dispostos no art. 3º da Resolução TSE nº 23.553

i) observância dos dispositivos da legislação eleitoral relacionados à propaganda na internet.


Projete bem o seu Site

Evite animações, imagens gritantes, esquemas de cores berrantes e páginas pesadas. As pessoas que vão visitar seu site podem estar usando conexões de banda baixa e não vão ficar esperando que sua página carregue. Elas também não estão interessadas nas últimas técnicas da Web 2.0, mas sim em informações sobre o Candidato. Recompense esse interesse com formatos de páginas que carreguem rapidamente.

Utilize em seu site o mesmo esquema de cores da demais peças da campanha: cartazes, santinhos, malas diretas, etc. A consistência é importante em tudo.

Encha-o de informações

As pessoas visitam o site por duas razões:

1. querem conhecer mais sobre o candidato;
2. estão interessadas em política e campanhas.

Dê a ambos os grupos a leitura que procuram, incluindo informações sobre o Candidato, sua plataforma e o cenário político local. Encha o site até a tampa. Publique tudo, desde releases e discursos até a Agenda do Candidato. Abra uma Galeria da Campanha, com fotos do Candidato em ação ou posadas, com a família, com os filhos. Disponibilize arquivos em PDF dos folhetos, santinhos ou adesivos para que seus partidários possam imprimi-los para distribuir entre os amigos. Se possível, exiba os VTs de sua campanha nessa Galeria.

O objetivo do site

Além de arrecadar recursos e divulgar a plataforma do Candidato, é objetivo do seu site coletar endereços de e-mail e números de celulares, para a versão cibernética da mala direta e para mandar torpedos. O site deve solicitar o endereço de e-mail e o número do celular do visitante e sua permissão para o envio de notícias e atualizações. É preciso, portanto, ter uma campanha de e-mails e de torpedos planejada para a duração da campanha.

As mensagens eletrônicas enviadas deverão dispor de mecanismo que permita seu descadastramento pelo destinatário, sendo obrigado o remetente a providenciá-lo no prazo de 48 horas.

Faça contato

Em seus e-mails, procure envolver o destinatário em sua campanha, pedindo-lhe que indique o site para seus amigos. Tente recrutá-lo para algum trabalho voluntário. Convide-o a participar de seus eventos. A Internet, o e-mail e o telefone ajudam a manter contato com os partidários e fornecer notícias aos visitantes 24 horas por dia, sete dias na semana.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.