Relações com a imprensa

Com as limitações impostas pelo TSE aos programas gratuitos de rádio e TV, especialmente para os candidatos proporcionais, muitas vezes a única maneira de fazer sua mensagem chegar ao eleitorado é através da imprensa.

É claro que é difícil obter a cobertura da mídia, especialmente quando há candidaturas mais poderosas disputando espaço. Mas dá para fazer, com alguma engenhosidade e muito trabalho.

Criando a notícia

A regra mais importante para obter cobertura da mídia é “criar a notícia”. Os únicos eventos, comunicados, pronunciamentos ou discursos que a mídia vai cobrir serão os que merecem ser notícia. Isso pode ser difícil de determinar. Não há regras fixas e o que foi notícia numa campanha pode não ser nessa. Abaixo, algumas perguntas a se fazer para determinar se a informação merece virar notícia:

  • Interessa a pessoas que não estejam acompanhando a eleição?
  • É emocional?
  • É embaraçosa para o Candidato ou seu adversário?
  • Denuncia um problema?
  • Oferece uma solução?
  • É totalmente fora do comum?
  • Cria conflito?
  • Qual seria a reação de quem lesse esta notícia?
  • Se eu visse esta noticia, contaria para outras pessoas?
  • Tem apelo local?
  • Não soa como um auto-elogio?

Os repórteres precisam de notícias

Lembre-se: a mídia precisa de notícias para sobreviver. Se o repórter não tiver um fluxo constante de informações que possam virar notícias, ele perde o emprego. Seja amigo da mídia, oferecendo notícias de verdade; elas serão publicadas, criando publicidade com credibilidade (e sem custo) para sua campanha.

Um Plano de Imprensa

Quer você seja um veterano de muitos confrontos políticos, quer você esteja engajado em sua primeira campanha, lidar com a mídia é uma necessidade inevitável. Algumas campanhas têm recursos suficientes para contratar um especialista, mas muitas dão a tarefa de secretário de imprensa a alguém sem experiência prévia.

Seu objetivo é conseguir o máximo possível de cobertura positiva para sua campanha. A duração da campanha é curta mas, como em qualquer outra atividade, o planejamento compensa. Os pontos a serem abordados nesse plano são:

  • Uma lista de suas necessidades em termos de cobertura de imprensa.
  • Uma lista de seus recursos – equipe, equipamento, dinheiro.
  • Objetivos concretos com cronograma (por exemplo, entrevista no jornal X no dia Y).
  • Delegação – quem vai fazer o quê.
  • Avaliação – o que fazer se estiver dando certo ou se é necessário realocar recursos ou ajustar os objetivos.

O papel da mídia na cobertura de uma campanha

O rádio e a TV, o jornal diário e o semanal, cada um tem missões diferentes, porque têm audiências diferentes e diferentes sistemas de distribuição. Essas diferenças têm influência sobre o que se pode esperar de cada tipo de mídia.

É importante conhecer os veículos. Se o jornal Z apóia o partido adversário, isso não quer dizer que você deva ignorá-lo. Só significa que vai dar mais trabalho passar sua mensagem através dele.

Não parta do princípio de que o dono do veículo é o ditador da Redação. É a palavra do repórter que vale, até prova em contrário.

Todos os meios têm algo em comum – funcionam num ambiente em que a quantidade de notícias disponíveis excede o tempo ou o espaço a ser preenchido. As decisões editoriais sobre o que entra ou não entra são baseadas em muitos critérios. Influências pessoais, políticas, institucionais e financeiras podem entrar em jogo.

É impossível controlar a tendenciosidade de um repórter ou de um editor. Mas você pode controlar a hora em que ele recebe sua informação e se ela realmente é notícia.

Releases

Os press-releases devem ser curtos e objetivos. A intenção é fazer com que a imprensa ligue pedindo mais informações. Se você for usar um sistema profissional de distribuição, contate todas as empresas de mídia que possam interessar à sua campanha. Descubra quem deve receber os releases e como devem ser entregues (em mão, por e-mail ou por fax). Você pode encontrar nomes e endereços de e-mail em vários lugares, mas mandar os releases sem ter feito contato anterior com o destinatário dá a ele uma boa razão para ignora sua mensagem.

Atualize os arquivos dos CEDOCs desses veículos, fornecendo-lhes fotos atuais e biografia em dia do Candidato. Se os recursos da campanha o permitirem, contrate um fotógrafo para cobrir o candidato em suas ações.

Web Site

Crie uma área para a imprensa no seu site. Inclua informações para contato (fone, celular, e-mail). Publique os releases imediatamente. Adicione áudio e/ou vídeo para maior impacto. Inclua várias fotos do Candidato – tanto retratos quanto instantâneos. Isso permite à mídia escolher a mais apropriada.

Dialogue

Se você não estiver recebendo a cobertura que deveria, chame um par de editores ou repórteres e pergunte-lhes como melhorar. Além disso, o TSE balizou detalhadamente o comportamento da imprensa durante as eleições, freando os casos mais gritantes de partidarismo, quer no volume da cobertura em centímetros, quer no grau de favoritismo evidenciado nos tons das matérias.

Tudo soma

Arquive os artigos sobre você publicados durante a campanha e destaque os que foram gerados por sua campanha de imprensa. Calcule quanto teria custado comprar um anúncio com a área (ou tempo de transmissão) equivalente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.